O exército das cruzadas, sob o comando de Goffredo, cerca a cidade de
Jerusalém, onde o rei sarraceno Argante fica aprisionado com as suas tropas. Com
Goffredo estão seu irmão Eustazio, sua filha Almirena, e o cavaleiro Rinaldo.
Quando ela sai, um mouro anuncia a aproximação de Argante vindo da cidade. Eustazio
presume que o rei cede ao medo pois, depois de uma entrada pomposa, pede uma
trégua de três dias para a qual Goffredo graciosamente parece estar de acordo.
Assim que Goffredo sai, Argante proclama o seu amor por Armida, a rainha de
Damasco e feiticeira poderosa, e considera a ajuda dos seus poderes para trazê-lo de
volta. Tal como as musas, Armida chega do céu numa carruagem de fogo puxada por
drgões. Esta descobre que a única chance dos mouros para a vitória reside em vencer
Rinaldo, insistindo com o rei que tem o poder para o fazer. A primeira ação desta é
raptar Almirena enquanto esta está com o herói. Entretanto Goffredo e Eustazio chegam
e confortam Rinaldo, propondo que visitem um mago pois este pode saber como
resgatar Almirena.
Quando estes estão perto do covil do mago, Rinaldo é posto à prova em várias
situações (uma linda mulher com um barco e duas sereias encantadoras), sendo que
chega irado junto de Armida exigindo que esta a liberte. Esta é atraída pelo seu espírito
nobre e declara-lhe o seu amor sob a forma da sua amada. Este rejeita-a, pois, sabe
que é uma armadilha. Entretanto, enquanto Almirena lamenta o seu cativeiro, Argante
apaixona-se por ela, prometendo enganar Armida e liberta-la. Armida retoma a sua
aparência furiosa, mas ainda mantendo os sentimentos de amor. Tentando novamente
seduzi-lo, retoma a forma de Almirena mas encontra Argante. Este acredita que é
Almirena e repete as suas promessas de amor e liberdade. Rapidamente Armida retoma
a sua forma original, jurando vingança e saindo em fúria.
Por fim, Goffredo e Eustazio conseguem a ajuda do mago para superar os
desafios de Armida, com varinhas mágicas mais poderosas que a de Armida. Quando
esta crê que não consegue vencer, parte a sua varinha e, juntamente com Argante,
abraçam o cristianismo. Assim, Rinaldo e Almirena celebram o seu futuro casamento,
terminando assim num coro de reconciliação.